Fui atacada duas vezes pela mesma barata e estou profundamente ofendida


Considerando que meu horário de sono virou desses em que vou dormir 8 da manhã, acordo cerca de meio-dia, fico com vontade de morrer e volto a dormir até 5 da tarde, acordando mais ou menos nesse horário e depois ficando emputecida por ter perdido a tarde toda sendo que eu podia consertar tudo isso tomando o remédio que meu psiquiatra tinha recomendado para regular meu sono mas consertar problemas de maneira prática, QUEM FAZ ISSO, MINHA GENTE? Então madrugada é o horário em que fico com mais fome. E, por causa disso, entro e saio da cozinha milhões de vezes.

Então eu tô lá, de boa no meu canto, curtindo a insoniedade na porta da cozinha, prestes a entrar, quando cai alguma coisa na minha cabeça.

A primeira coisa que passou pela minha cabeça (pun not intended) foi que era uma lagartixa. E como não costumo ter medo de lagartixa, bati a mão na bichinha e joguei pra longe. E a bichinha voou na parede.

Lagartixas não voam. Pelo menos acho que não, posso estar errada, as coisas evoluem com muita rapidez hoje em dia e com esses escândalos de leite com soda cáustica e carne com ácido e papelão, e aqui em casa a gente toma fanta uva, então vai saber que tipo de mutação elas podem apresentar.

A questão é que o que voou na parede não era uma lagartixa. Era uma barata.

O que significava que o que tinha caído na minha cabeça não era uma lagartixa.

Era uma barata.



E eu morri um pouquinho por dentro quando lembrei que não tinha mais inseticida, então entrei na cozinha correndo, fechei a porta e fiquei um tempo lá, esperando para ver se a desgraçada sumia.

Não sumiu. Quando abri a porta para sair, ela estava no mesmo lugar. Então saí correndo e as coisas ficaram por isso mesmo.

Só que um tempo depois me deu fome de novo. E eu, com aquela ingenuidade das pessoas que às vezes têm alguns ataques de burrice e acham que as coisas não podem piorar, deduzi que talvez a barata não estivesse mais lá.

Fui até perto da porta e olhei, meio de longe. Nada de barata. Ótimo. Me aproximei da porta. A barata surgiu do nada e voou no meio da minha cara.

A
BARATA
VOOU
NO
MEIO
DA
MINHA
CARA.


Desviei por milímetros da morte certa, desisti de entrar na cozinha e voltei correndo pro quarto, mas minha alma ficou na porta da cozinha mesmo.

Primeiro eu fiquei assustada.

Então eu fiquei puta.

Depois decidi que estava ofendida.

Ok ela ter pulado na minha cabeça da primeira vez, provavelmente estava no teto e foi cagada do destino ela ter caído. Acontece. Paciência. Mas ela VOOU NA MINHA CARA depois.

Eu não fiz NADA pra merecer isso. Não ataquei com inseticida, não bati com a vassoura, NADA. Eu só queria um pacote de bolacha e fui vítima dessa violência desmedida.

A gente não pode se sentir segura nem dentro da própria casa. Absurdo.




10 comentários :

  1. Eu jurava que no final você ia tirar forças da ofensa e ia matar a barata com o chinelo, MARESKA, ELA TE ATENTOU CONTRA SUA VIDA, VOLTE LÁ AGORA E MATE ESSA BARATA. UMA LAGARTIXA JAMAIS SERIA TÃO SEM CORAÇÃO ASSIM COM VC.

    (Eu mesmo não mataria, risos. Quando vejo barata na parede, finjo que não vi)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MAS GERALMENTE EU MATO! Mas só com inseticida mesmo, com chinelo eu teria que chegar muito perto. E dessa vez fiquei tão aturdida com a ofensa que nem pensei em tentar me vingar =O

      Excluir
  2. HAHAHAHA adorei. Também tenho o sono bem desregulado, principalmente quando não tomo os remedíneos, e simmmm fome no meio da noite é uma desgraça. Aqui em casa o problema são as formigas (não sei de onde vêm, não sei pra onde vão) mas na casa da minha madrinha em que passei alguns dias no carnaval tinha tanta barata que eu só dizia boa noite pra elas toda vez que ia na cozinha. Pois é, nem inseticida deu jeito. Tenso.

    Duas Leitoras - no Top Comentarista de Março você pode escolher entre 4 livros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai aqui também tem toneladas daquelas formiguinhas cujo único propósito na vida é subir na gente e fazer coçar. Pior é que eu tenho quintal e moro perto de muito mato, aí já viu. SOFRO.

      Excluir
  3. HAHAHAHAAHAHAHAHA, SOCORROOOOOOOOOOOOOO!

    gente, isso me lembrou uma vez que tava na casa da minha avó bem mais nova e acabou a luz e eu fui pegar a lanterna e uma barata VEIO SUBINDO PELA MINHA PERNINHA. como eu tinha uns 7 anos a gente sabe que eu não tinha muita perna assim e eu BERREI. que nojo. que nojo. aaaaaaaa, que dó de você! eu não consigo, mas eu dei berros rindo aqui no trabalho, desculpa! hahahahah

    Pale September

    ResponderExcluir
  4. Foi impossível não dar uma olhadinha ao redor depois de ler esse texto! Socoroooo!
    Esses dias eu também fui vitima de uma cascuda dessas, ela apareceu na cozinha e como eu estava sozinha em casa, decidi que ficaria trancada no quarto até alguém chegar! Que dia!!! hahahaha
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  5. Nossasinhora. Eu tenho tanto medo e nojo de barata que se fosse comigo eu tava chorando até hoje. Só de ler o post fiquei me coçando.
    Barata é um bicho muito demônio. Não sei o que fazer se eu morar sozinha. Talvez tenha que aprender a matar. Ou me mudar.

    ResponderExcluir
  6. Gente, eu tenho pavor real oficial de lagartixa. Acho que se uma cair na minha cabeça eu morro ali na hora, ou vou morrer tacando fogo na minha própria cabeça por conta do desespero.
    Mesmo assim, barata... Olha, não agradável.
    E olha que, com o excesso de fanta uva ela provavelmente já desenvolveu consciência suficiente pra saber que a casa não é dela e que ela não deveria sair voando nas pessoas, muito menos na CARA delas.
    Sério, se fosse eu, acho que teria voltado lá e acabado com a raça dela. E por acabar com a raça dela, quero dizer: destruir a cozinha toda, ficar cheia de hematomas, não conseguir matar a barata e ainda ficar mais puta da vida. Porque sou dessas.
    Força aí com as baratas

    ResponderExcluir
  7. Ai que bom seria se fosse uma lagartixa. Porque a bichinha COME baratas e nos previne delas. Acho que passaria o resto da noite chorando e me batendo de nojo de uma barata ter caído na minha cabeça. Eu tenho pavor, só não maior que de mariposas!

    Mas sei como é esse reencontro com baratas. Aconteceu duas vezes já. Às vezes em dias diferentes, mas a gente SABE que é a mesma fulana.

    ResponderExcluir